Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O Feitiço da Índia

Brito-Semedo, 26 Set 12

Três portugueses, em três épocas diferentes, deixam-se encantar pela Índia e pelas suas mulheres.

 

O Feitiço da Índia narra a história de três homens:

 

José Martins, o primeiro português a tocar solo indiano, ido como degredado na armada de Vasco da Gama. Casado em Alfama com a moura Rosa, apaixonou-se por Rhema em Cochim, casou-se de novo e morreu em Goa, enfeitiçado pela Índia;

 

Augusto Martins, o único português (não luso-indiano) a permanecer em território de Goa após a invasão das tropas da União Indiana em 18 de Dezembro de 1961. Casado em Lisboa com a mulher-a-dias Rosa, apaixonou-se em Salcete pela menina Rhema, filha de um brâmane, gerando Sumitha, morrendo em Goa enfeitiçado pela Índia;

 

A história do narrador, descendente de José Martins e filho de Augusto Martins, que, em 1975, após o reatamento das relações entre Portugal e a União Indiana, partiu para Goa à procura do pai e ali permaneceu até hoje, vivendo com Rhema e Sumitha, enfeitiçado pela Índia.

 

Através da experiência destas personagens inesquecíveis - e com a ironia e a qualidade a que Miguel Real nos habituou - O Feitiço da Índia oferece-nos o retrato fascinante de Goa e da costa do Malabar, na Índia, em três épocas marcantes da sua história. (Fonte).

 

Título: O Feitiço da Índia

Género: Romance

Autor: Miguel Real

Ano: 2012

Editora: Dom Quixote

Número de Páginas: 384

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Comentar:

De
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.
Comentário
Máximo de 4300 caracteres

O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Esquecer!? Ninguém esquece…
Suspende fragmentos na câmara escura, que se revelam à luz da lembrança...

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Jornalista e Poeta Eugénio Tavares

Comunidade

  • João Mendes

    Rebusquei depois nas minhas memórias e verifiquei ...

  • João Mendes

    Deixem-me aqui recordar Celso Leão pessoa intelige...

  • João Mendes

    Conheçi o café Lisboa em 1961.. Lá cantei fado mui...

subscrever feeds

Powered by