Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Sergio Frusoni

Brito-Semedo, 12 Mai 13

 

Sérgio Frusoni.jpeg

 

 

Sergio Frusoni poeta italo-caboverdiano nasceu no dia 10 de Agosto de 1901 na cidade do Mindelo, ilha de S. Vicente, Cabo Verde. Filho de italianos Giuseppe Frusoni comerciante de coral e de Erminia Bonucci.

 

Estudou até a quarta classe. O pai mandou-o para um colégio na Italia com a idade de 11/12 anos para continuar os estudos. Pouco tempo depois o pai fê-lo regressar.


Ainda jovem trabalhou na Western Telegraph. Quando foi prestar o serviço militar na Italia conheceu Mary Carlini com quem se casou em 26 de Junho de 1924. Em 1925 Sergio Frusoni regressou a S. Vicente com a mulher. No mesmo ano nasceu a filha Lilia. 

 

Sergio Frusoni e a esposa além de Lilia (que viria a falecer aos 7 anos de idade), tiveram mais quatro filhos: Franco, Giosanna e Mario - nascidos em La Spezia (Itália) - e Fernando, nascido em Roma.

 

Depois de ter deixado a Western Telegraph por ter brigado com um colega, foi trabalhar na Italcable, uma companhia italiana concorrente.

 

Sérgio Frusoni.jpeg

 

Em 1931 pediu transferência para Anzio (Italia). Depois de um ano foi enviado para Roma. Aí trabalhou até arrebentar a Segunda Guerra Mundial.

Na Segunda Guerra Mundial Sergio Frusoni fez parte do exercito italiano. Foi feito prisioneiro e internado num campo de concentração americano em Coltano (Itália). No mesmo campo estava prisioneiro também o filho Franco, ainda menor, sem que ele soubesse. Libertados no fim da guerra pai e filho encontraram-se.


Em 1947 Sergio Frusoni juntamente com a familia partiu de Genova para Cabo Verde. Em S. Vicente foi acolhido pelo tio de Sergio Frusoni, Pietro Bonucci. Trabalhou ajudando o tio na loja Central. Mais tarde conseguiu ser dono de um café, Café Sport, que pertencera a três italianos. Afortunadamente, algum tempo depois começou a trabalhar na Italcable que reabrira porque tinha sido fechada no período da Segunda Guerra Mundial porque os ingleses tinham cortado o cabo submarino.

 

Aposentado, partiu com a mulher em 1966 para Genova (Italia) onde ficaram até 1971. De novo partiram para S.Vicente. Em 1974 foram para Lisboa onde Sergio Frusoni veio a falecer a 29 de Maio de 1975.


Outros dados
Homem de rara sensibilidade observou a sociedade mindelense descrevendo-a com maestria em poemas utilizando o crioulo de S. Vicente. Escreveu também poemas em português, inglês e italiano.


Muitos poemas seus estão reunidos no livro de Augusto Mesquitela Lima com o titulo A Poética de Sergio Frusoni – Uma Leitura Antropologica, edição do Instituto de Cultura e Lingua Portuguesa e Instituto Caboverdiano do Livro e do Disco, 1992. Fez a tradução livre do livro Er Vangelo Seconno Noantri de Bartolomeo Rossetti, escrito no dialecto romano, para o crioulo caboverdiano Vangel Contod d’nos Moda, uma edição da “Terra Nova“, S. Filipe, Fogo, editado em 1979 pela Comunicazione s.n.c. – Bra ( Cn ).


Escreveu estórias como “Ti Karanga“ e “Mari Matchim“, que fazem parte do “Mosaico Mindelense“, transmitidas pela Rádio Barlavento do Mindelo.


Utilizando a música de “Manché “ escreveu as palavras de uma opereta musical de nome “Cuscujada“, recitada pelo filho Franco no teatro com o Grupo Cénico Castilhano. Ofereceu ainda alguns monólogos ao mesmo Grupo Cénico.


No âmbito musical, escreveu as palavras e compôs a música da morna “Tempe d’Caniquinha”, a morna “Ó Maria Hortensa“ e ainda uma marcha que a banda municipal tocava na Praça Nova do Mindelo.


Com a idade de 52 anos dedicou o seu tempo livre à pintura. Pintou vários quadros entre os quais um retrato do Papa Joao XXIII e um do Presidente John Kennedy. Pintou também os retratos da mulher e de uma sobrinha, figuras típicas do Mindelo e restaurou a pintura da Virgem Maria no tecto da igreja de Nossa Senhora da Luz no Mindelo.

 

Fernando Frusoni

 

Génova, 12 de Maio 2013

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Comentar:

De
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.
Comentário
Máximo de 4300 caracteres

O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Esquecer!? Ninguém esquece…
Suspende fragmentos na câmara escura, que se revelam à luz da lembrança...

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Jornalista e Poeta Eugénio Tavares

Comunidade

subscrever feeds

Powered by