Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

90 anos do "Diário" de António Pedro

Brito-Semedo, 11 Abr 19

 

CAPA LIVRO.jpg

Assinala-se este ano os 90 anos da publicação do Diário (Praia, Imprensa Nacional, 1929), livro de poesia de António Pedro [Costa] (Praia, 09.Dez.1909 – Moledo do Minho, 17.Agosto.1966), artista plástico surrealista, homem de teatro, escritor, poeta e jornalista.

 

Diário

 

O Diário, pelo modernismo e pela forma de abordagem dos temas não agradou a muita gente. “A tal ponto que [segundo Félix Monteiro] um exemplar do livrinho foi rasgado, simbolicamente em auto-de-fé, por um grupo […] do Liceu de São Vicente, o qual, para o cúmulo, deliberou levar mais longe o seu protesto, remetendo ao Autor, pelo correio, os despojos, da sua intolerância”.

 

Na verdade, os valores culturais como o batuque e a morna não terão sido bem compreendidos por António Pedro:

 

Vi um batuque

baque,

bacanal!

E fiquei de olhos cansados

– pobres selvagens –

a ver horas e horas

rolar a mesma dança

doida…

 

ou

 

E a morna

morna,

bole

mole,

já velha, sem ser antiga,

num compasso de cantiga

sexual.

 

O próprio meio ambiente é visto com olhos de quem chega, por alguém que se sente agredido geográfica e culturalmente:

 

Bé,

o pó

da ventania

sufoca!

 

… Lá na baía

ou doca

ou o que é

lá do vapor

parecia

melhor,

embora fosse careca

a terra seca,

e o sol queimasse

e adormentasse

já.

 

Os aspectos sociais e étnicos chamam a atenção do Poeta por serem originais:

 

Os brancos daqui

são mais modestos

que os pretos:

os pretos chamam-se pretos,

os brancos chamam-lhe gente daqui,

e aqui…

há brancos e pretos…

 

A chuva é também tema do Diário:

 

Esverdinharam-se os montes

– um poema –

… foi em dois dias

Um poema!...

[…]

E os meus olhos cansaram-se,

Coitados!

 

Ao fixar um instantâneo do quotidiano da venda da papaia, António Pedro preocupa-se em reproduzir o realismo no próprio discurso, adequando-o ao nível cultural do emissor:

 

Papaias

pias

repartem

os braços-puas

E partem

A negrura do caminho!

[…]

… Pirolito:

Maçaneta

De papaias!...

 

Jorge Barbosa, numa carta dirigida a Manuel Lopes, datada de 21 de Outubro de 1933, reporta-se positivamente ao Diário, a propósito do livro que tinha em preparação: “Tem o livro [Ambiente] uma intenção que suponho avizinhar-se de António Pedro quando publicou o Diário”.

 

Manuel Ferreira, por seu lado, é de opinião que Pedro Corsino de Azevedo (1905 – 1942) ter-se-ia inspirado estilisticamente em António Pedro quando escreveu o poema “Galinha Branca”.

 

A desenho da capa, uma crioula gravada a ouro expressivamente corporizada numa cor esverdeada, é arte de Jaime de Figueiredo (Praia, 1905 – 1974) e o editor do livro é João Lopes (São Nicolau, 1894 – 1979).

 

António Pedro

 

Com 4 anos, António Pedro vai viver para Portugal mas volta a visitar a sua terra-natal por três vezes. Realiza a primeira visita em 1929, com dezanove anos, quando publica, na cidade da Praia, o seu livro de poesia Diário. A segunda, dez anos mais tarde, como elemento da comitiva do Presidente da República Portuguesa, Marechal Carmona, às colónias, na qualidade de jornalista. Volta a Cabo Verde uma terceira vez, em 1966, por um período de um mês, quando da doença e morte do pai. Nessa ocasião falou em voltar a visitar Cabo Verde mas chega a Portugal e, em Agosto do mesmo ano, morre de um súbito e drástico ataque cardíaco.

 

O facto de António Pedro, em 1929, ser portador da novidade estética europeia, revelada nessa sua publicação, e de Jaime de Figueiredo corresponder-se já com João Gaspar Simões (1903 – 1987), modernista e fundador da revista Presença, poderá ter contribuído para estreitar a ligação entre os dois e beneficiado a ambos. É ainda bem provável que o diferendo havido entre Jaime de Figueiredo e os restantes fundadores da revista Claridade tenha a ver com isso.

 

Baltasar Lopes preocupava-se em se distanciar da influência da revista Presença, do modernismo português, por razões de ordem política – conforme afirmou na entrevista dada ao jornal Tribuna (1986): “[…] Não éramos presencistas. A nossa atitude era, de certo modo, anti-presencista. Nós éramos politicamente militantes, o que Presença não é”.

 

Jaime de Figueiredo teria então teimado na sua posição. O trabalho que era destinado ao primeiro número da revista Claridade, um ensaio sobre a poesia de Adolfo Casais Monteiro (1908 – 1972), director da revista Presença, acaba por ser retirado pelo próprio autor.

 

Celebra-se em Dezembro de 2019 o 110º aniversário de António Pedro [Costa]. Fica o desafio de assinalar a data, na terra que o viu nascer, com a reedição do seu Diário.

 

 

NB - Na sequência, Ondina Ferreira retomou o assunto publicando no dia 12.Abril um texto no seu blogue Coral Vermelho intitulado "António Pedro no traçado de 'Atlântida' e de 'Claridade'?".

 

Manuel Brito-Semedo

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

1 comentário

De Anónimo a 01.08.2019 às 12:57

Porque é que omitiu o editor do "Diário" de António Pedro?

Comentar post

Esquecer!? Ninguém esquece…
Suspende fragmentos na câmara escura, que se revelam à luz da lembrança...

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Jornalista e Poeta Eugénio Tavares

Comunidade

  • Adi

    I think and I am really aware of the what it take ...

  • curso de teclado

    Muito boa a musica, parabéns !

  • Anónimo

    Porque é que omitiu o editor do "Diário" de Antóni...

Powered by