Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cabo Verde e a literatura-mundo

Brito-Semedo, 28 Jun 18

 

Literatura-mundo.jpeg

 

À memória de Augusto Brito Lima, Gust d'ti Pól, Capitão do Bita

 

 

Perspectivar a literatura-mundo a partir de um ponto de observação, o Falucho, é inevitavelmente compreender que é impossível falar da literatura cabo-verdiana sem reconhecer as suas ligações umbilicais a outros espaços e latitudes geográficas e a outras literaturas.

 

 

As manifestações literárias das ilhas constituem, a nosso ver, uma metáfora do corpo humano:

 

 

Cabeça no Mundo

 

Ancorados em Cabo Verde, os nossos primeiros escritores olharam para a África e para a Europa.

 

* Escritores Seiscentistas l África

 

Andre Alvares d’Almada, natural de Santiago, com o Tratado Breve dos Reinos de Guiné do Cabo Verde, 1594 (Porto, Typographia commercial portuense, 1841); e

 

Andre Donelha, português que vivia em Cabo Verde, com a obra Descrição da Serra Leoa e dos rios da Guiné do Cabo Verde, 1625 (Junta Investigação Científica do Ultramar, Lisboa, 1977).

 

* Geração Nativista dos Almanaques (1851-1932) | Europa

 

É neste período que se dá o nascimento da imprensa e se faz ­o lançamento das bases da literatura cabo-verdiana, com escritores como Guilherme da Cunha Dantas, Luiz Loff de Vasconcellos, Eugénio Tavares, José Lopes da Silva, Pedro Monteiro Cardoso, nascidos nos finais de 1800 e 1920, apenas para me referir a alguns.

 

Prevaleciam nesta época os aspectos estético-formais e temáticos do Neoclassicismo (1756-1825) e do Romantismo (1825-1865) Português, particularmente da última fase deste, o ultra-romantismo, cultivado tardiamente em Cabo Verde, em que se fez sentir o peso e a influência do Seminário-Liceu de S. Nicolau, fundado em 1866. 

 

O discurso é caracterizado, por um lado, por ser decalcado do português vernáculo, sendo a norma seguida a de Portugal, e, por outro, por um crioulo castiço, na decorrência da exaltação dos valores crioulos promovidos pelos nativistas.

 

Pés na Terra

 

Os escritores que se seguiram olharam para outras latitudes.

 

. Geração Regionalista da Claridade (1936-1960) | Américas

 

Os aspectos estético-formais aqui predominantes são os mesmos do Modernismos Brasileiro (1922) e do Modernismo Português (1927-1940), com temáticas próprias do Realismo, por influência do modelo brasileiro (entre 1930 e 1945/50, grosso modo), e do Neo-realismo, seguindo o modelo português (1940-1950).

 

Neste período, o discurso é da ruptura e da reelaboração de linguagem, num hibridismo do crioulo com o português falado, uma linguagem consentânea com o tipo de mensagem a que se propunham.

 

Escritores como António Aurélio Gonçalves, Jorge Vera-Cruz Barbosa, Baltasar Lopes da Silva, com o pseudónimo “Osvaldo Alcântara”, Henrique Teixeira de Sousa, entre outros, nascidos entre 1900 e 1920.

 

Punhos Cerrados

 

Os escritores posteriores redefiniram o seu foco.

 

* Geração Nacionalista da Contestação (1958-1975) | África

 

Nos finais dos anos cinquenta, começa uma nova fase, a fase dita nacionalista, em que se passa a usar a literatura como arma de combate na construção de uma nova pátria, marcada pela publicação do "Suplemento Cultural" ao Cabo Verde – Boletim de Propaganda e Informação, em 1958.


Nesta fase os escritores vão levar até às últimas consequências o discurso linguístico ensaiado pelos claridosos em que recorrem a um código linguístico cheio de interferências, de misturas e de alternâncias com o crioulo.

 

Escritores como Aguinaldo da Fonseca, Gabriel Lopes da Silva Mariano, Ovídio de Sousa Martins, Onésimo Silveira, nascidos entre 1920 e 1930.

 

Peito Aberto e Mãos Estendidas

 

A geração do pós-independência é já mais universalista.

 

* Geração Global (1975-), novos temas e visões do Mundo

 

A literatura clássica universal e do Simbolismo são os aspectos estético-formais predominantes neste período.

 

O discurso é, num primeiro momento, de renovação e de exaltação da índole crioula em múltiplas expressões (entre elas a língua, enquanto instrumento linguístico privilegiado em todas as esferas da comunicação, incluindo a literária) e, posteriormente, de acalmia na manifestação do nacionalismo, abrindo-se, então, para o mundo.

 

Esses escritores assumem o português como uma língua literária própria, interiorizando-o sem complexos, trabalhando-o no máximo da sua potencialidade, sem deixar de fazer uso da sua língua materna na sua produção literária. De referir, contudo, que existe uma ala de escritores, particularmente os da ilha de Santiago, que tem optado por escrever quase exclusivamente na língua cabo-verdiana.

 

Escritores como Corsino Fortes, João Manuel Varela, com os heterónimos João Vário, Timóteo Tio Tiofe e G. T. Didial, Oswaldo Osório, Arménio Vieira, Dina Salústio, Germano Almeida, Jorge Carlos Fonseca, Vera Duarte – para me referir a alguns nascidos entre 1930 e 1960 – José Luís Hopffer Almada, Filinto Elísio Silva, Vadinho Velhinho, José Luiz Tavares, Margarida Fontes, sem pretender ser exaustivo – nascidos depois de 1960.

 

Em síntese, ainda antes de haver o conceito de literatura-mundo, mais ou menos recente, as elites literárias cabo-verdianas estabeleceram o diálogo com o mundo e desenvolveram a intertextualidade com a literatura do mundo.

 

Manuel Brito-Semedo

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Esquecer!? Ninguém esquece…
Suspende fragmentos na câmara escura, que se revelam à luz da lembrança...

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Jornalista e Poeta Eugénio Tavares

Comunidade

  • Brito-Semedo

    Olá, boa-tarde. Desculpa não poder ajudar. Essa im...

  • Dulcineia

    Este foto (a pintura) do Mindelo é de quando?

  • Kelly Delgado

    Cunke is my grandfather; my Mothers's father, and ...

Powered by