Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Galo já cantâ na baía

Brito-Semedo, 12 Jan 18

 

Falucho 4.jpg

 

 

Homenagem a Salibânia, Cantadeira de Morna

 

 

“A baía abria-se, deserta de vapores, numa ampla linha semicircular. No recôncavo da Pontinha, protegidos pelo pequeno promontório do Fortim, os faluchos cruzavam nervosamente os mastros em todas as direcções, numa briga muda e colectiva de varapaus. Seus farolins pareciam saltitar dum bordo para outro, de mastro a mastro, como fogos de santelmo” – Manuel Lopes, Galo cantou na baía

 

Galo Cantou na Baía (1959), Prémio Fernão Mendes Pinto, é uma colectânea que reúne alguns dos melhores contos de Manuel Lopes (São Vicente, 1907 – 2005).

 

Publicado pela primeira vez na revista Claridade, em Agosto de 1936, com o título “Um galo que cantou na baía…”, é este o conto que abre a colectânea e lhe dá o título e que, na opinião de Russel Hamilton, marca o nascimento da moderna prosa narrativa de Cabo Verde.

 

Com as suas personagens de vigorosa personalidade, vivendo enredos de forte carga simbólica, relatados numa linguagem simultaneamente densa e subtil, estes contos de Manuel Lopes, seis no total, proporcionam ao leitor uma forte emoção.

  

Porto Grande tem muito que contar

 

A reconstrução de uma das muitas viagens de falucho entre Santo Antão e São Vicente feito por Manuel Lopes é um registo que fica como um contributo para a história marítima destas ilhas, ainda por escrever:

 

“O vento que tinha sido de boa feição ao desamparinho e auxiliara a tripulação na manobra de largar, sem mais problemas que içar panos e puxar ferro, e empurrara o airoso barquinho de nhô Tudinha à bolina mansa até o meio do mar-canal, abandonara-o repentinamente confiando-o à corrente marítima, à calmaria podre que agora pesava sobre as ondas entorpecedoras” (pg. 18).

 

"Cando falucho cambar o ilhéu, e perda d'água virar cara pra sul, pegamos caminho e é só rodear João Ribeiro na endireitadura da Matiota, e estamos na baía" (pg. 19).

 

“O cúter mal se movia, as velas bambas desmanteladas pela calmaria, os arcos no mastro, a portinhola da escotilha, tamborilando” (pg. 30). Houve uma paragem. […]. O pequeno veleiro quase caminhava de proa como mula recalcitrante. […]. Quando a corrente virou para o sul, arrastou Grinalda em direcção à Ponta do João Ribeiro” (pg. 31).

 

Numa altura em que os instrumentos da navegação eram os mais elementares: “Os olhos e os ouvidos do patrão Tudinha eram os únicos aparelhos de precisão de que dispunha o Grinalda”.

 

Igualmente realista é a descrição da forma como a tripulação e os passageiros viajavam e as cargas eram transportadas:

 

“À excepção do Jom Tudinha, ao temão, e do Castanha, estendido, manhoso, ao alcance dos balaios de encomenda, entre dois fardos de palha, os homens da tripulação dormitavam aqui e ali sobre pilhas de sacos. Os quatro passageiros, empilhavam-se à fresca, no estreito tejadilho da escotilha” (pg. 19);

 

“[…] no porão, disfarçados entre cachos de banana e sacos de ervilha congo e favona, mais garrafões e latas de dezoito litros de aguardente, sem guia” (pg. 42).

 

Terra de B.Léza, terra de Salibânia

 

O conto tem ainda o mérito de recuperar a figura da Salibânia, uma célebre cantadeira, mulher do povo, uma ex-libris de São Vicente dos anos 20 e 30. Segundo Carlos Gonçalves (Kab Verd Band AZ, em preparação), ficou no imaginário da população da cidade do Mindelo devido à sua bela voz e composições e relembra que António Germano Lima (Boavista, Ilha da Morna e do Landú, 2004) apresenta Salibânia como tendo nascido em Fundo das Figueiras e emigrado para São Vicente numa época de muita fome na ilha da Boavista (1883-1886).

 

No conto, Salibânia é uma personagem proprietária de um botequim da zona do porto que funcionava como lugar de reuniões e de ensaios de grupos de músicos onde os tocadores se juntavam num reservado para tocar e beber.

 

“O grupo, com os seus instrumentos e as músicas novas (quando não eram mornas eram sambas e modinhas brasileiras acabadas de chegar pelos paquetes da América do Sul) atraíam basbaques de todas as classes, desde vadios e mocratas aos funcionários públicos e forasteiros […]. Até doutores iam lá. Entravam anonimamente, misturavam-se com a malta” (pg. 39).

 

O retrato físico e psicológico da Salibânia, ainda que ficcional, é feito nos seguintes termos: “Rebolando os olhos sensuais, queixando-se com denguice, da vida que ia pela hora da morte, um pouco roliça mas mexida, engraçada e afável, no rosto bochechudo um sorriso gracioso, para muitos prometedor, de alvos dentes, para todos ainda bastante apetitosa […]. Nasceu para servir fregueses, a Salibânia. Ia lá para o cantinho esfregando as mãos no avental […]. Casa é pequena mas de coração grande” (pg. 39).

 

Lá dentro, Tututa repenicava o violão de olhos levantados para o teto como se as notas do instrumento andassem no ar dançando e Toi, o guarda de alfândega, cantava a sua nova morna pingando as sílabas uma a uma:

 

Jâ cantâ galo na baía

Sol câ tâ longe de somâ

…………………………………….

 

- Manuel Brito-Semedo 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Comentar:

De
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.
Comentário
Máximo de 4300 caracteres

O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Esquecer!? Ninguém esquece…
Suspende fragmentos na câmara escura, que se revelam à luz da lembrança...

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Jornalista e Poeta Eugénio Tavares

Comunidade

  • Anónimo

    Jovem kela e ilha do sal e não América...

  • Anónimo

    Não entendo o porquê do continente americano nos s...

  • Anónimo

    nao morreu 

subscrever feeds

Powered by