Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

 

Kaká Barboza.jpg

 

Carlos Alberto Barbosa (Kaká Barboza)

 

São Vicente, 01.Maio.1947 – Praia, 01.Maio.2020

 

 

São duas as artes que identificam Kaká Barboza – a música, de que foi um exímio compositor e instrumentista, e a escrita, como poeta e contista, uma na mão direita, outra na mão esquerda – onde explorou a sonoridade e as técnicas de compor e de contar. Para ele, a arte foi um cantar só.

 

Kaká Barboza foi um ‘descantador’, no sentido de uma pessoa que descanta, ou seja, de alguém que canta ao som de instrumentos musicais – mas que também canta no silêncio da escrita – as estórias e os contos da sua vivência, as suas memórias, a sua ribeira. Daí que as suas estórias e contos, melhor dizendo, esses 'contares', serem celebrações alegres e festivas, muito embora em notas e tons de crítica.

 

Kaká Bartbosa é autor de três publicações em língua cabo-verdiana – Vinti Xintido letradu na kriolu (1984), Son di ViraSon (1996) e Konfison na Finata (2003) – e quatro em português  – Chão Terra Maiamo (2001), Cântico às tradições (2004), Gaveta Branca (2015) e Descantes da minha Ribeira. Estórias & Contos (2018).

 

Descantes Kaká Barbosa 3.jpg

 

Adeus, Camarada!

 

Manuel Brito-Semedo

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Esquecer!? Ninguém esquece…
Suspende fragmentos na câmara escura, que se revelam à luz da lembrança...

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Jornalista e Poeta Eugénio Tavares

Comunidade

Powered by