Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

 

Layout Porto Memória.jpg

 

cidademindelo finais seculo XIX CABO VERDE.jpg

 

 

Escrevo-o para esta juventude estudiosa que precisa conhecer os assuntos de sua terra, que mais lhe interessa saber.

 

 

“À memória dos Caboverdianos marítimos, aqueles que,

ao Serviço das Nações Unidas, ao serviço da liberdade,

corajosamente, perderam a vida durante a

2.ª Grande Guerra Mundial.

 

Como testemunho de profunda saudade.”

 

– Frank Xavier da Cruz (B. Léza), 1950

 

O escritor Manuel Lopes explica que Mindelo “veio ao mundo sobre as quilhas da navegação internacional, nasceu, por assim dizer, cosmopolita, porque nasceu parasita do porto, e até hoje [1959] sempre dependeu dele”.

 

Consulado Inglês, c. 1910.jpg

 

Influência dos Ingleses em São Vicente

 

A forte presença dos ingleses na ilha, nos mais diversos sectores de actividade económica, da área do shipping, da telegrafia e do comércio em geral, foram determinantes na formação dos hábitos e costumes do homem sanvicentino, moldando-o. Ao mesmo tempo que o influencia e desenvolve nele a necessidade e a apetência por tudo quanto representa o Outro, enquanto modelo de progresso e desenvolvimento, com destaque para o british.

 

Teixeira de Sousa, no seu romance Capitão de Mar e Terra (1984), cujo pano de fundo da história se situa nos anos 30 e 40 do século passado, criou uma personagem, Walter – necessariamente um nome inglês, no original “uolta” – que, a páginas tantas e apesar da origem do seu nome, ironiza essa mania de se copiar tudo dos ingleses, dizendo o seguinte:

 

“Os Ingleses puseram aqui o seu padrão de vida, que toda a gente adoptou para se guindar socialmente. Desde o gim ao tabaco amarelo, ao críquete, ao smoking, ao golfe, ao footing, há todo um conjunto de hábitos e preferências que o Mindelense superestima por provir do Reino Unido. Até se caga à inglesa, em latas com areia no fundo e areia ao lado”.

 

A referência à presença dos british na ilha do Porto Grande, com umas boas centenas deles e delas, por cerca de 120 anos, e de outros que, entretanto, por lá passaram, é a deixa para se ir streitoei ao tema, melhor, ao livro Razão da Amizade Caboverdiana pela Inglaterra de Frank Xavier da Cruz, B. Léza.

 

O livro, publicado pelo Departamento de Imprensa Nacional, Rio de Janeiro, em 1950, um “resumo histórico da posição psicológica do caboverdeano, perante a influência inglesa”, conta com uma Carta-Prefácio do Professor Dr. Adriano Duarte Silva, Deputado de Cabo Verde, e tem a seguinte estrutura: “Hitler”, morna composta em Dezembro de 1940, dedicada ao proeminente Primeiro Ministro Sir. Winston Churchill, seguida da correspondência recebida da B.B.C. de Londres; palestra “Razão da Amizade Caboverdiana pela Inglaterra”; e Quadro demonstrativo da influência da língua britânica no dialecto crioulo (Frases, locuções e verbos adulterados pela língua caboverdiana).

 

Morna Hitler câ tâ ganhâ guerra

 

A morna “Hitler câ tâ ganhâ guerra”, em crioulo e em inglês, foi composta em 1940 por B. Léza quando os exércitos apavoravam os povos da Europa com as vitórias ininterruptas e os “espíritos fracos” consideravam a vitória do Eixo como certa.

 

Esta morna, segundo seu autor, vulgarizou-se extraordinariamente tendo sido cantada por toda a gente em Cabo Verde como fé profética. Durante mais de dois anos se cantou e dançou-se esta morna, não só em Cabo Verde, mas em qualquer canto do mundo onde vivesse um cabo-verdiano.

 

Crioulo

 

Hitler cá tá ganhá guerra, ni nada!

Guerra ê di nos Aliado

Águia Négra é vencida

Ná campo di batalha.

 

Nô confiâ na Britiche

Nô pô fé ná sê valor

Dér Fiúra ‘stá vencido

Cô tudo sê horror

 

Churchill ê um barra di aço

Qui cá tâ derretê!

Na mar, na terra e na âr

El tem qui vencê.

 

Inglês

 

Hitler shall never win the war! Never!

The victory is for our Allied!

The Black Eagle shall be ruined.

On the battle field.

 

Let us trust on the British,

Let us have faith on their value

Der-Fuhrer is vanquished

With all his horror

 

Churchill is a steel bar

Which will never be reduced

On de sea, on earth, in the air

He will obtain triumph.

 

A morna “Hitler câ tâ ganhâ guerra”, cantada por Titina Rodrigues (versão em crioulo) e Nancy Vieira (versão em inglês), está gravada no CD “Música de Intervenção Cabo-verdiana” (2003) editado por Rui Machado.

 

“Conta-se que jovens Cabo-Verdianos entoavam excertos da versão inglesa da canção (provocatoriamente) quando marinheiros alemães se passeavam por Mindelo. Cabo Verde, como colónia Portuguesa era território neutro. Até que um dia um oficial alemão quis conhecer o autor da dita morna. Chegado a casa de B. Léza, perguntou-lhe como é que ele estava tão seguro de que os Germânicos perderiam a guerra. Perante a firmeza do compositor, ameaçou-o de que voltaria para lhe cortar a cabeça quando ganhassem a guerra”. Lê-se no livreto de apresentação do CD.

 

Razão da Amizade Caboverdiana pela Inglaterra

 

“A word is enough for a wise man”. E B. Léza era sabido

 

Frank da Cruz procura definir, em síntese, as diferentes razões que geraram a nossa amizade pela Inglaterra recebendo a infiltração psicológica britânica como factor de progresso, admiração e culto de respeito:

 

– Antes de 1818, navios mistos, galeras e barcas inglesas e holandesas procuraram o porto da ilha de São Vicente para fazer aguada e dar repouso às tripulações;

 

– Entre 1818 e 1820, o Governo Britânico, procurando um porto de escala no Atlântico Sul para os seus navios, enviou algumas missões de estudo que descobriram o Porto Grande como o vértice desejado das suas carreiras entre os quatro continentes;

 

– Em 1850 o Governo da Metrópole autorizava por Portaria régia que a Royal Mail estabelecesse, isento de direitos, um depósito de carvão para o fornecimento dos seus vapores. Nesse mesmo ano era permitido ao Cônsul Inglês, Mr. John Rendall, instalar também livre de direitos, um depósito de carvão de pedra para o abastecimento dos vapores da carreira Europa-América do Sul;

 

– No decorrer de 1851 Thomas Miller instala outro depósito de hulha e, poucos anos depois, instalaram-se a Patent Full e Visger & Nephew. Em 1860 estas Companhias ligaram-se à Miller, com o nome comercial de Miller & Nephew CY;

 

– Seguiram-se outras Companhias e São Vicente progrediu notavelmente e começaram a desenvolver-se todas as ilhas do arquipélago, evidentemente impulsionadas por ela. Este sintoma de progresso determinou a emigração das outras ilhas para São Vicente, que necessitava de mais braços para os trabalhos, tanto a bordo, como em terra. Começou-se, assim, a aprender com os ingleses a trabalhar nas oficinas de carpintaria, nas ferrarias, nos estaleiros navais, na serralharia mecânica, no carvão e em todos os ramos de actividades;

 

– A ligação de São Vicente com os principais pontos comerciais do globo, a divulgação do porto e da sua posição estratégica, chamaram maior atenção dos ingleses que decidiram pelo lançamento dos cabos submarinos da Western Telegraph Company [o nosso Têlêgrafe]. Empregaram-se mais umas centenas de operários e a cidade alargou-se com a execução de novas obras obedecendo uma base de nova estética citadina;

 

– Poucos anos depois, 1897-1898, surge a guerra do Transval que abre a nossa terra à entrada de muitos navios britânicos que se servem do Porto Grande como entroncamento entre a Inglaterra e Cape-Town;

 

– O aumento da colónia britânica levou à criação dos primeiros clubes desportivos onde se praticavam todos os jogos desportivos, incluindo o hockey, o rugby, o five, o waterpolo, o remo, a vela, a natação e as corridas de cross-country. Com o nosso génio de aprender, dentro de pouco tempo surgiam as nossas primeiras associações;

 

– Depois da primeira grande guerra (1914-18) as Companhias Millers & Corys e a Shell instalaram importantes depósitos de óleos combustíveis que concorreram para salvar e reanimar a vida do Porto Grande, então em franca fase de decadência, por causa da crise mundial provocada pela derrocada do carvão;

 

– ...

 

Até 1971, altura em que se fechou o Têlêgrafe, a cultura inglesa influiu no espírito, no carácter e na psicologia dos sanvicentinos.

 

Frases, locuções e verbos adulterados pela língua cabo-verdiana

 

O quadro demonstrativo da influência da língua britânica no crioulo contém três entradas: vocábulo crioulo, significado, origem etimológica. Assim,

 

Vocabulário Crioulo

Significado

Origem Etimológica

Ariópe

Belachuto

Cátche

 

Djampá, Djampe

Faiaman

Streiteoei

 

 

Salóngue

Levanta-te, depressa

Fato macaco, fato de ganga

Apanhar no ar, pular ou plutar

Saltar, salto

Fogueiro, homem de fogo

Directamente, imediatamente, caminho recto

Adeus! Até à vista!

 

Hurry up

Boiler suitis

To catch

 

To jump, jump

Fire-man

Straight away

 

 

Soo long

 

 

É de se lamentar que as sucessivas administrações municipais da ilha de São Vicente não se tenham diligenciado em valorizar e recuperar esses laços procurando estabelecer geminações e parcerias de cooperação, sobretudo com as cidades de Newcastle e Cardiff, portos de onde provinham o carvão para o abastecimento dos barcos que aportavam ao Porto Grande.

 

Manuel Brito-Semedo

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

3 comentários

De Brito-Semedo a 03.02.2019 às 13:36

Olá. Um abraço desde Cabo Verde. Infelizmente o nosso país não tem um sistema de distribuição de bens culturais que leve os livros a outras cidades e ilhas que não apenas Praia e Mindelo. Os livros a que se refere são edição da Fundação Amílcar Cabral e, ao que parece, é de circulação restrita. Alguém das suas relações tem de os adquirir cá e enviá-los pelos correios. Votos de bom domingo.

Comentar post

Esquecer!? Ninguém esquece…
Suspende fragmentos na câmara escura, que se revelam à luz da lembrança...

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Jornalista e Poeta Eugénio Tavares

Comunidade

  • valdemar pereira

    Estou surpreendido pelo que recebo agora pois a fo...

  • Anónimo

    Ola Sr. Pereira,De fato, o Eudo foi meu pai e fale...

  • Joaquim Saial

    Esta indicação consta do catálogo da exposição "Ma...

Powered by