Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cabo Verde – De Ponto à Ponte

Brito-Semedo, 14 Jun 18

 

Monóculo antigo.jpg

À memória de Armando d’Isilda, Capitão de Maria Sony

 

Com o Falucho fundeado no porto, o marinheiro foi ver mundo pelo monóculo das ilhas.

  

 

Longe de sol dnha terra

ta rolâ na África

ta rolâ n’Iropa

ta rolâ na Merca

ta rolâ na mapa

ta rolâ na munde

 

Corsino Fortes, “Recode d’Umbertona”,

in Pão & Fonema, 1974

 

 

Sempre se disse que os dois recursos de Cabo Verde são a sua latitude e a sua longitude, pontos fixos, ou seja, a sua posição geográfica. Foi por isso que, ao longo da sua história, as ilhas foram tidas ora como ponto de apoio para as descobertas e ao comércio na costa, ora como ponto de referência, ora como ponte ligando as duas margens do atlântico.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Badiu d' SonCent

Brito-Semedo, 4 Jul 13

 

Seminarista.jpeg

 Seminário Nazareno, Classe de 1975

 

 

 

Aos Meus Colegas do Seminário,

Manuel Sança e Jorge Maia Lopes

 

 

Nessa manhã de quinta-feira de 3 de Julho de 1975, contando apenas 23 anos, cheio de ideal e de projectos, acordei cedo, melhor, não dormi direito a noite toda, tal era a ansiedade que raiasse o dia. Fui enviado de S. Vicente, em missão evangélica, para Santa Catarina de Santiago, a vanguarda política do PAIGC em Cabo Verde, mas isso só descobriria depois de ali estar.

 

Os acontecimentos tinham ocorrido tão depressa que não tinha tido tempo para pensar nas responsabilidades e nas implicações de uma tal missão, num contexto político de exaltação nacionalista e nas vésperas da independência nacional.

 

O 25 de Abril de 1974 apanhara-me em S. Vicente frequentando o Seminário Nazareno, juntamente com Jorge Maia e Manuel Sança, tendo os missionários americanos Wood, Henck e Stroud como professores das principais matérias. À pressa, porque o momento político deixava no ar algumas dúvidas e temores quanto ao futuro, decidiu-se antecipar a conclusão do curso, fixando o mês de Março como a data para o seu término.

 

Estava tudo acertado com o camião que havia de chegar cedo para transportar as nossas coisas, guardadas em grandes caixotes na garagem da Casa da Missão, na Praia, enquanto nós seguiríamos no velho jipão Land-Rover, cedido por empréstimo para esse efeito. Ia montar casa e começar uma nova vida e nova família, cujo primeiro rebento já se anunciava.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Esquecer!? Ninguém esquece…
Suspende fragmentos na câmara escura, que se revelam à luz da lembrança...

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Jornalista e Poeta Eugénio Tavares

Comunidade

  • João Mendes

    Rebusquei depois nas minhas memórias e verifiquei ...

  • João Mendes

    Deixem-me aqui recordar Celso Leão pessoa intelige...

  • João Mendes

    Conheçi o café Lisboa em 1961.. Lá cantei fado mui...

Powered by