Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Oficializar o crioulo? Porquê a pressa

Brito-Semedo, 21 Fev 19

 

lingua_materna01_21_02_2019jpg.jpg

 

 

Para assinalar o Dia Internacional da Língua Materna, o Esquina faz a reedição na íntegra de um texto de Humberto Cardoso, publicado pelo Jornal A Semana de 10 de Abril de 2009.

 

 

A questão de oficializar ou não o crioulo ganhou uma outra dinâmica com a apresentação do projecto de revisão constitucional, apresentado por um grupo de deputados do PAICV. Anteriormente a questão, ciclicamente, recebia impulsos políticos de diferentes quadrantes. Momentos houve, no passado recente em que Ministros, Primeiro-Ministro e o próprio Presidente da República se desdobraram em declarações, pontuadas por elementos de retórica nacionalista, clamando pela sua oficialização.

 

A pressão pela oficialização do crioulo tem um conteúdo essencialmente ideológico.

 

No projecto de revisão constitucional, o PAICV quer “dignificar” o crioulo face ao português. Assim propõe que o nº 1 do artigo 9º da Constituição passe a ter o seguinte texto: 1. São línguas oficiais da República o Cabo-verdiano, língua materna, e o Português. Com isso pretende retirar o crioulo de algum suposto estatuto inferior e finalmente libertá-lo da opressão da língua portuguesa. O facto porém é que, em Cabo Verde, diferentemente de outros países onde se procura oficializar línguas maternas, não há discriminação do crioulo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Carga frágil. Manusear com cuidado

Brito-Semedo, 2 Mar 18

 

Falucho # 6.jpg

Foto: José Matos Alves

 

 

Homenagem a Nhô João Martins (Jôm Ped de Canja), Capitão do Ildut

 

 

A receber carga, com saída marcada para o Dia Internacional da Língua Materna, Falucho atrasou-se no porto devido ao trafego e arrumação de carga frágil no porão que exigiu cuidado especial no seu manuseio.

 

O antropólogo, professor e filósofo belga Claude Lévi-Strauss (1908 – 2009) definiu Cultura como um conjunto de sistemas simbólicos: a linguagem, as relações de parentesco, a religião, as relações económicas. Por outras palavras, é um modo não-genético de transmissão existente em uma comunidade contínua, entendendo-se por comunidade uma população que tem a mesma cultura. Pode-se assim dizer que Cultura refere-se ao que quer que seja transmitido não geneticamente, entendendo-se dessa afirmação que essas duas noções, Cultura e Comunidade, estão intimamente ligadas.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Esquecer!? Ninguém esquece…
Suspende fragmentos na câmara escura, que se revelam à luz da lembrança...

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Jornalista e Poeta Eugénio Tavares

Comunidade

  • valdemar pereira

    Estou surpreendido pelo que recebo agora pois a fo...

  • Anónimo

    Ola Sr. Pereira,De fato, o Eudo foi meu pai e fale...

  • Joaquim Saial

    Esta indicação consta do catálogo da exposição "Ma...

Powered by